© 2017 Ana Carolina Pereira Costa. Todos os direitos reservados. 

February 24, 2019

December 11, 2017

October 9, 2017

June 18, 2017

April 17, 2017

Please reload

Posts Recentes

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Em Destaque

“Se liberar, o paciente vai comer mais”

January 27, 2015

 

Hoje resolvi escrever sobre um dos maiores mitos da Nutrição moderna, ou melhor, um dos maiores mitos envolvendo a relação terapêutica entre o nutricionista e o paciente.

 

Já cansei de ouvir de colegas de profissão e de outros profissionais de saúde as seguintes frases:

 

“Ok, aceito que se pode comer de tudo um pouco... Mas (insira seu alimento aqui) acho melhor você não liberar pra tal paciente, se não ele vai comer demais.”

 

“Tem coisa que o nutricionista não pode permitir mesmo... Se sendo proibido o paciente já come muito, que dirá se estiver liberado!”

 

Na minha opinião, tem muita coisa errada nesse discurso.

 

Em primeiro lugar, um questionamento ético: quem sou eu para “permitir” ou “proibir” qualquer coisa? Quem sou eu para atribuir um julgamento moral à comida? Quem sou eu para ferir o princípio da autonomia do paciente, segundo o qual o indivíduo capacitado de deliberar sobre sua escolha deve ser tratado com respeito pela sua capacidade de decisão; segundo o qual as pessoas têm direito soberano de decidir sobre as questões relacionadas ao seu corpo e à sua vida?

 

Em segundo lugar, uma postura pessoal: eu não quero ter esse “poder”, essa responsabilidade perante aos meus pacientes, de decidir o que eles devem ou não comer. Eu quero ser responsável sim por auxiliá-los a adotarem uma postura mais positiva e saudável ao se alimentarem; eu me comprometo a educá-los e ajudá-los a se relacionarem melhor com a comida; mas não tenho pretensão e desejo alguns de me tornar um “policial da comida” (termo que eu e meus colegas do Genta gostamos muito de usar, e que tomamos emprestado do livro Intuitive Eating).

 

Em terceiro lugar, e mais importante: quem disse que a proibição alimentar faz com que as pessoas comam menos?

 

As referências científicas existentes e a minha prática clínica já me comprovaram que a relação é a inversa: quanto mais a comida for proibida, mais o indivíduo vai comer! Restrição leva à compulsão!

 

Pode reparar: você, que já fez mil dietas ou restrições alimentares, conseguiu de fato não comer um alimento que tinha vontade simplesmente porque havia se proibido de comê-lo? Ou pior: porque alguém havia proibido?

 

Sei que a liberdade alimentar parece assustadora de início, e entendo que internalizá-la é um processo. Inclusive já escrevi sobre isso aqui no blog (veja aqui). Mas eu não acredito na educação para uma alimentação mais saudável que não envolva a permissão incondicional para se comer.

 

 

Boa semana a todos!

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags