© 2017 Ana Carolina Pereira Costa. Todos os direitos reservados. 

February 24, 2019

December 11, 2017

October 9, 2017

June 18, 2017

April 17, 2017

Please reload

Posts Recentes

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Em Destaque

Quando a motivação é o emagrecimento... Que mal há?

April 6, 2016

“Bom dia, Fulano, me conte um pouco sobre você e sobre como posso te ajudar”. Essa é sempre uma das primeiras perguntas que faço a meus pacientes novos, e confesso que fico com um pé atrás quando a resposta é uma variante de “eu quero perder peso”, mesmo quando o indivíduo de fato poderia ser classificado como sobrepeso ou obeso.

 

 

Não é porque eu não queira entender e validar o desejo de emagrecer daquela pessoa; concordo que, em nossa sociedade bastante gordofóbica, é difícil ser obeso. É difícil se sentir confiante e ter crítica a todo momento do padrão de imagens manipuladas e glamourizadas de corpos que nos é imposta. É difícil lidar com algumas limitações de um corpo gordo (por exemplo, encontrar roupas confortáveis e que não pareçam “sacos de vestir”, como uma paciente minha descreveu).

 

A razão principal para eu ficar ressabiada quando o indivíduo diz que veio me procurar porque quer perder peso é simples: percebo que o desejo de emagrecer não é um bom motivador para mudanças de comportamento duradouras.

 

Explico melhor: sou muito fã dos chamados baby steps, ou seja, das mudanças pequenas mas que vamos fazendo consistentemente e que ao longo do tempo nos alavancam a mudanças maiores e mais impactantes. Um paciente que quase nunca come salada e frutas, por exemplo, provavelmente não vai perder peso tão já; é preciso criar uma meta pequena, como inserir uma fruta no meio da tarde, para depois de um tempo – quando essa fruta virar hábito – inserir um legume da preferência do paciente no almoço, e também no jantar, e mais uma fruta... Até que chegamos a um padrão adequado e saudável de alimentação. Acho que a maioria dos nutricionistas há de concordar que pequenas mudanças graduais são mais vantajosas a longo prazo que grandes mudanças radicais e abruptas.

 

Mas aí entra a ironia da história: quando a motivação do paciente para mudar comportamentos é emagrecer, ele muitas vezes não tem a paciência e a disposição para seguir esse processo orgânico. Porque começar comendo uma fruta, e depois aumentar para duas, e depois colocar a salada não necessariamente faz com que o indivíduo perca peso de forma rápida. Apesar dos benefícios à saúde que esses comportamentos estão trazendo, a tão esperada mudança corporal não vem na mesma velocidade. Então, o indivíduo desanima. Vem o pensamento: se não consigo fazer “perfeito”, do que adianta? Aí, o modo “dane-se” é ativado e a pessoa volta a se comportar como antes. Algo parecido acontece com a prática de atividade física: ou o indivíduo já começa a academia de segunda a sexta, uma hora ao dia, ou então “do que adianta” fazer duas vezes por semana por 40 minutos? Todo mundo sabe que isso não resolve nada! Nesse momento, o imediatismo toma conta e parece que qualquer coisa vale, contanto que o número na balança caia progressivamente.

 

Por isso que acho contraproducente enfatizar a medida do resultado do tratamento nutricional em número de quilos perdidos. Prefiro medir com base nos comportamentos que foram modificados e no bem-estar/saúde que essas mudanças trouxeram, independentemente da perda de peso. Como diz a nutricionista americana Mary Ryan, autora do blogBeyondBroccoli: progress, not perfection (progresso, e não perfeição).

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags