© 2017 Ana Carolina Pereira Costa. Todos os direitos reservados. 

February 24, 2019

December 11, 2017

October 9, 2017

June 18, 2017

April 17, 2017

Please reload

Posts Recentes

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Em Destaque

O poder das palavras

January 13, 2016

 

Esses dias li uma reportagem de uma especialista em ioga e meditação que falava sobre o poder das nossas palavras. Tudo aquilo que pensamos e sentimos e que transformamos em palavras carrega em si uma energia, capaz de influenciar nosso mundo físico. Não há nada de “transcendental” nisso: basta pensar no arrepio que sentimos quando ouvimos uma música muito bonita. Um professor de canto me disse uma vez que só nos arrepiamos porque o intérprete conseguiu por meio de sua emoção e interpretação acoplar uma energia poderosa ao som que saiu de sua boca, e isso por sua vez é capaz de alterar nossas reações corporais.

 

Da mesma forma, quando nos engajamos em conversas negativas, reclamamos, criticamos de forma gratuita e não construtiva estamos contribuindo com a geração de mais caos e infelicidade. Reforçamos a energia destrutiva que nossas palavras podem carregar. Elas são tão poderosas que hoje existem cursos e livros sérios de comunicação não violenta, que visam nos ensinar a não perpetuar inconscientemente esse tipo de violência cotidiana.

 

Por isso, uma das minhas metas esse ano será tentar me abster de comentários desnecessários, negativos e não construtivos. Para isso, é preciso estar presente momento a momento, avaliando aquilo que pensamos e sentimos e tentando conter a impulsividade de falar imediatamente o que vier a mente. É preciso tomar consciência, exercitando nossa atenção plena. Afinal, o que já está dito não pode ser retirado.

Proponho então um exercício aos leitores desse blog: vamos tentar nos abster das falas negativas a respeito do próprio corpo e do corpo alheio? Vamos parar de bombardear o universo com a energia destrutiva dos nossos julgamentos? Comentários como “essa roupa fica ridícula para quem tem uma barriga como a minha” ou “como ele tem coragem de usar isso com esse tamanho?” ou “nossa, ela é uma tábua, homem não gosta de mulher assim” não levam a lugar algum, aumentam a importância que damos à forma do nosso corpo e contribuem ainda mais com o estigma corporal já existente.

 

Vamos alimentar nossas palavras com uma energia do bem?

Boa semana a todos!

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags